Blog

nome do post Características motivacionais dos Integrais Escrito por:
Treinos 25 de Abril de 2017

Você já deve ter ouvido falar em motivação, mas você sabia que ela é multidimensional e muda com o tempo? Neste artigo falaremos sobre este tema e apresentaremos uma pesquisa realizada junto aos Integrais!

Motivação pode ser definida como o empenho de uma pessoa para a resolução de tarefas, superação de barreiras, aquisição de especialidade esportiva, procurar e demonstrar um melhor desempenho do que outras pessoas e principalmente sentir-se orgulhoso ao mostrar seu talento. A motivação pode ser caracterizada como um processo dirigido a uma meta, ativo e intencional, que depende de fatores pessoais (intrínsecos) e ambientais (extrínsecos).

Os motivos que levam as pessoas a participarem de atividades mudam com o tempo. Alguns indivíduos citam alguns motivos para iniciar a prática de exercício físico, mas com o passar do tempo, outros motivos são citados para a permanência na prática de atividade física.

Nas últimas décadas uma recente teoria tem sido estudada para compreender os motivos que levam as pessoas a praticar esportes, a Teoria da Autodeterminação (TAD) de Deci e Ryan (1985). De acordo com a TAD, a motivação não pode ser tratada como um conceito global como é tradicionalmente abordada, mas como um constructo multidimensional que varia em sua qualidade e intensidade.

O modelo multidimensional da TAD é composto por três tipos de motivação: motivação intrínseca (mais autodeterminada), motivação extrínseca e amotivação (menos autodeterminada) que estão dispostos em polos opostos dentro de um continuum.

Já na motivação extrínseca, os indivíduos são motivados por recompensas/punições internas ou externas e não na tarefa em si. Na TAD a motivação extrínseca é dividida em quatro tipos, apresentados aqui em ordem da menos para a mais autodeterminada: regulação externa, regulação introjetada, regulação identificada e regulação integrada. A terceira dimensão da TAD é a amotivação. Ela é caracterizada pela falta total de motivação do indivíduo.

A motivação intrínseca é a regulação mais autodeterminada onde os indivíduos se sentem mais competentes em realizar um objetivo por vontade e satisfação própria. Tem sido considerada um constructo global dividida em três tipos: motivação intrínseca para conhecer (MI-C), motivação intrínseca para atingir objetivos (MI-AO) e motivação intrínseca para experiências estimulantes (MI-EE).

Deste modo, a tabela abaixo mostra com a motivação dos integrais que participaram da pesquisa se comportou

Gráfico das regulações motivacionais

Foi verificado baixos índices de amotivação e regulação externa e valores altos de Regulação Introjetada, identificada, motivação intrínseca para experiencias empolgantes (este com maior valor), motivação intrínseca para atingir objetivos e motivação intrínseca para conhecer.

A partir dos resultados encontrados, verificamos que os alunos integrais investigados se motivam pra corrida por diversos fatores. A falta de motivação (amotivação) e a regulação externa (forma mais extrínseca de motivação) foram baixos, isto é, esses alunos não apresentam falta de motivação para a corrida e são pouco influenciados por fatores externos (recompensas, punições, pressões de pessoas externas) para a corrida.

Os alunos integrais investigados são mais motivados para a corrida por fatores internos (prazer/satisfação) e, como mostrado nos resultados, para experiências empolgantes.

No segundo gráfico, mostraremos os resultados dos integrais que responderam duas vezes o questionário, sendo o segundo 2 meses depois do primeiro.

Comparação entre antes e depois

Foi verificado que houve pouca mudança nas regulações motivacionais depois de 2 meses. A amotivação e a regulação introjetada aumentaram e as demais diminuiram. A única regulação em que houve diferença estatística foi na diminuição da motivação intrínseca para conhecer. Uma possível explicação para essa diminuição é que, com o passar do tempo, os integrais investigados podem ter conhecido melhor a corrida nesse intervalo de tempo, dando mais importância para outros fatores que levam a motivar para a prática da corrida.

REFERÊNCIAS

COSTA, I. T. et al. A importância da atividade física para manutenção da saúde e os principais fatores qu e motivam professores, alunos e funcionários de duas  universidades a praticarem exercícios. Revista Brasileira de Atividade Física &  Saúde, v.8, n.1, p. 52-61, 2003.

KAPULKA, D. A.; BRUEL, M. R. Ginástica laboral e a motivação à prática do  exercício físico. EFDeportes.com, Revista Digital, v.17, n.176, 2013.

LEGNANI, R. F. S. et. al. Fatores motivacionais associados à prática de exercício físico em estudantes universitários. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 33, n. 3, p. 761-772, jul./set. 2011.

LIZ, C.M. Motivação para a prática de musculação de aderentes e desistentes de academias. Florianópolis: UDESC, 2011. 245 p. Dissertação. (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) – Universidade do Estado de Santa Catarina.

MARTINS, D. B. Motivação de praticantes de corrida de rua. Trabalho de conclusão de Curso. (Graduação em Educação Física) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2013.

OLIVEIRA, S. N. Lazer Sério e Envelhecimento: Loucos por corrida. Dissertação. (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto  Alegre, 2010.

ROLIM, R. Contributo para o estudo do treino de meio-fundo/fundo de atletas jovens em Portugal. Tese. ( Doutorado apresentado à Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física) – Universidade do Porto, 1998.

SAMULSKI D. Psicologia do esporte. São Paulo: Manole; 2002.

TRUCCOLO, A. B.; MADURO, P. A.; FEIJÓ, E. A. Fatores Motivacionais de Adesão a Grupos de Corrida. Motriz, v.1, 4, n. 2, p. 108-114, 2008.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da Psicologia do Esporte e do Exercício. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Compartilhe:
Comentários